Produto Sustentável: Equipamento de Proteção Individual Fabricado com Plástico Verde

Hamilton Aparecido Boa Vista, Mário Roberto dos Santos, Fábio Ytoshi Shibao

Resumo


Este estudo analisa a fabricação de equipamentos de proteção individual (EPI) com matéria-prima a partir de biopolímeros do etanol da cana-de-açúcar, conhecido como polipropileno verde e fabricados desde 2008 pela Braskem. Estuda o EPI de proteção à cabeça do usuário, denominado capacete pela NR 6, utilizado nas situações de exposição a agentes meteorológicos e em locais onde há risco de impactos provenientes de queda ou projeção de objetos, queimaduras, choques elétricos e irradiação solar. A MSA, empresa fabricante do denominado capacete sustentável, efetuou um inventário das emissões de gás carbônico para a atmosfera, comparando o processo de fabricação do casco do capacete a partir de biomassa com o de derivados de petróleo, no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2011. Segundo os dados coletados, o capacete “verde” (polietileno verde e pigmentos) sequestra 231g de CO2 da atmosfera por unidade, enquanto na produção do capacete com as matérias-primas tradicionais (polietileno petroquímico e pigmentos), são emitidos 1.029 g de CO2 na atmosfera para cada unidade produzida. Este estudo conclui que a substituição da matéria-prima levou à redução do impacto gerado na produção de capacetes.

Palavras-chave


Avaliação do Ciclo de Vida (ACV), Ecoeficiência, Equipamento de Proteção Individual (EPI), Plástico Verde, Produto Sustentável.

Referências


ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2003). NBR 8221 – Equipamento de proteção individual – Capacete de segurança para uso na indústria – Especificação e métodos de ensaio. Rio de Janeiro.

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2009a). NBR ISO 14040 – Gestão ambiental – avaliação do ciclo de vida – princípios e estrutura. Rio de Janeiro.

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2009b). NBR ISO 14044 – Gestão ambiental – avaliação do ciclo de vida – requisitos e orientações. Rio de Janeiro.

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2014). NBR ISO 14045: Gestão ambiental – avaliação da ecoeficiência de sistema de produto – princípios, requisitos e orientações. Rio de Janeiro.

Barbieri, J. C. (2011). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Barbieri, J. C.; Vasconcelos, I. F. G.; Andreassi, T. & Vasconcelos, F. C. (2010). Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas, 50(2), 146-154.

Bastos, V. D. (2007). Biopolímeros e polímeros de matérias-primas renováveis alternativos aos petroquímicos. Revista do BNDES, 14(28), 201-234.

Boons, F.; Baumann, H. & Hall, J. (2012). Conceptualizing sustainable development and global supply chains. Ecological Economics, 83, 134-143.

Braskem. (2010). Polietileno verde. Retrieved from: http://www.braskem.com.br/plasticoverde/principal.html. Acesso em: 23 janeiro, 2014

Brito, G. F.; Agrawal, P.; Araújo, E. M. & Melo, T. J. A. (2011). Biopolímeros, polímeros biodegradáveis e polímeros verdes. Revista Eletrônica de Materiais e Processos, 6(2), 127-139.

Chehebe, J. R. (2002). Análise do ciclo de vida de produtos: ferramenta gerencial da ISO 14000. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Contreras, A. M.; Rosa, E.; Pérez, M.; Van Langenhove, H. & Dewulf, J. (2009). Comparative life cycle assessment of four alternatives for using by-products of cane sugar production. Journal of Cleaner Production, 17(8), 772-779.

Demajorovic, J. (2010). Ecoeficiência em serviços: diminuindo impactos e aprimorando benefícios ambientais. In A. Vilela Jr., & J. Demajorovic (Orgs). Modelos e ferramentas de gestão ambiental: desafios e perspectivas para as organizações. São Paulo: Senac, 169-198.

Dyllick, T. & Hockerts, K. (2002). Beyond the business case for corporate sustainability. Business Strategy and the Environment, 11(2), 130-141.

Ekvall, T. & Finnveden, G. (2001). Allocation in ISO 14041 – a critical review. Journal of Cleaner Production, 9(3), 197-208.

Elkington, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books.

Faria, K. C. P.; Gurgel, R. F. & Holanda, J. N. F. (2012). Recycling of sugarcane bagasse ash waste in the production of clay bricks. Journal of Environmental Management, 101, 7-12.

Finnveden, G. (1999). Methodological aspects of life cycle assessment of integrated solid waste management systems. Resources, Conservation and Recycling, 26(3), 173-187.

Giannetti, B. F. & de Almeida, C. M. V. B. (2006). Ecologia industrial: conceitos, ferramentas e aplicações. Edgard Blücher.

Gonçalves-Dias, S. L. F.; Guimarães, L. F. & Santos, M. C. L. (2012). Inovação do desenvolvimento de produtos “verdes”: integrando competências ao longo da cadeia produtiva. Revista de Administração e Inovação, 9 (3), 129-153.

Heinzen, D. A. D. M.; Mattos, A. P. M. N.; Campos, L. M. D. S. & Paladini, E. P. (2011). Estudo de viabilidade de produto inovador “verde” para o mercado consumidor comum. Revista Gestão Organizacional, 4(2), 122-131.

Hellweg, S.; Doka, G.; Finnveden, G. & Hungerbühler, K. (2005). Assessing the eco-efficiency of end-of-pipe technologies with the environmental cost efficiency indicator: a case study of solid waste management. Journal of Industrial Ecology, 9(4), 189-203.

ISO – International Organization for Standardization. (2012). ISO 14045 – Environmental management – Eco-efficiency assessment of product systems: principles, requirements and guidelines.

Jing, H. & Jiang, B. S. (2013). The framework of green business model for eco-innovation. Journal of Supply Chain and Operations Management, 11(1), 33-46.

Knight, P. & Jenkins, J. O. (2009). Adopting and applying eco-design techniques: a practitioner’s perspective. Journal of Cleaner Production, 17(5), 549-558.

Kruter, G. E.; Barcellos, M. D. & Silva, V. S. (2012). As atitudes dos consumidores em relação ao plástico verde. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - GeAS, 1(1), 22-50.

Lacy, P.; Cooper, T.; Hayward, R. & Neuberger, L. (2010). A new era of sustainability: UN Global Compact-Accenture CEO study 2010. Retrieved from: http://www.accenture.com/SiteCollectionDocuments/PDF/Accenture_A_New_Era_of_Sustainability_CEO_Study.pdf. Acesso em: 14 de janeiro, 2014

Marx, A. & Paula, I. C. D. (2011). Proposta de uma sistemática de gestão de requisitos para o processo de desenvolvimento de produtos sustentáveis. Revista Produção, 21(3), 417-431.

Menezes, U. G.; Kneipp, J. M.; Barbieri, L. A. & Gomes, C. M. (2011). Inovação sustentável: uma estratégia em empresas do setor químico. Revista de Gestão Social e Ambiental, 5(2), 96-111.

MTE – Ministério do Trabalho e Emprego. (2011). Norma Regulamentadora 6 – Equipamento de Proteção Individual – EPI. Portaria GM nº 3.214 de 08 de junho de 1978 atualizada em 8 de dezembro de 2011. Retrieved from: http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C816A33EF45990134335D0C415AD6/NR-06%20(atualizada)%202011.pdf. Acesso em: 13 janeiro, 2014.

MSA do Brasil Equipamentos e Instrumentos de Segurança Ltda. (2012). Inventário de emissões Gases de efeito estufa. Retrieved from: http://s7d9.scene7.com/is/content/minesafetyappliances/Inventario%20de%20Carbono%20do%20Capacete%20Sustentavel%20V-Gard%20-%20PT. Acesso em: 13 de janeiro, 2014

MSA do Brasil Equipamentos e Instrumentos de Segurança Ltda. (2014). Política de responsabilidade social. Retrieved from: http://media.msanet.com/International/Brazil/PDFs/Responsabilidade_Social.pdf. Acesso em: 15 de fevereiro, 2014.

Oliveira, S. M.; Roese, A.; Malaga, A. M. & Pereira, R. S. (2010). A produção de plásticos a partir de fontes renováveis sob a ótica da teoria da inovação. Anais dos Seminários em Administração FEA/USP, São Paulo, SP, 13.

Paula, C. (2009). Sustentabilidade exige ideias novas. Retrieved from: http://planetasustentavel.abril.com.br/especiais/sustentabilidadeinovacao/. Acesso em: 9 de janeiro, 2014.

Plastivida Instituto socioambiental dos plásticos. (2011). Reciclagem. Retrieved from: http:// www.plastivida.org.br. Acesso em: 24 janeiro, 2014.

RIO+20 – Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – (2012). Desenvolvimento sustentável. Retrieved from: http://www.rio20.gov.br/clientes/rio20/rio20/sobre_a_rio_mais_20/desenvolvimento-sustentavel.html. Acesso em: 14 de janeiro, 2014.

Seuring, S. & Müller, M. (2008). From a literature review to a conceptual framework for sustainable supply chain management. Journal of Cleaner Production, 16(15), 1699-1710.

World Business Council for Sustainable Development. (1992). Retrieved from: http://www.wbcsd.org/home.aspx. Acesso em: 03 de janeiro, 2014.

Yellishetty, M.; Mudd, G. M. & Ranjith, P. G. (2011). The steel industry, abiotic resource depletion and life cycle assessment: a real or perceived issue? Journal of Cleaner Production, 19(1), 78-90.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zhang, B.; Bi, J.; Fan, Z.; Yuan, Z. & Ge, J. (2008). Eco-efficiency analysis of industrial system in China: a data envelopment analysis approach. Ecological Economics, 68(1-2), 306-316.


Texto completo: PDF



Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional