Contribuições da Percepção Ambiental de Frequentadores Sobre Praças e Parques no Brasil (2009-2013): Revisão Bibliográfica

Tania Amara Dorigo, Ana Paula Nacimento Lamano-Ferreira

Resumo


As áreas verdes urbanas assumem um importante papel na melhoria do ambiente e na oferta de espaços para lazer e recreação, além de contribuírem para a sustentabilidade urbana. O objetivo do presente trabalho foi levantar as contribuições dos estudos de percepção ambiental em áreas verdes públicas, como praças e parques urbanos. Investigou-se a influência que essas áreas exercem sobre os moradores do seu entorno e também sobre os seus frequentadores. Para isso, realizou-se uma pesquisa bibliográfica sobre os estudos de percepção ambiental em áreas verdes urbanas no website Portal Inovação. O critério utilizado para a seleção dos artigos foi a publicação em periódicos nacionais entre os anos de 2009 e 2013. Dentre os resultados encontrados, buscou-se conhecer a importância desses espaços para a população que neles identifica uma função essencialmente social. De acordo com os artigos publicados, os aspectos positivos das áreas verdes na visão dos frequentadores se relacionam com a prática de atividades físicas, lazer, promoção da educação e conscientização ambiental. Em relação aos aspectos negativos, percebe-se a preocupação com a questão da segurança das áreas verdes urbanas, o que pode estar relacionado com menor frequência de uso desses espaços públicos.

Palavras-chave


Áreas Verdes Urbanas, Administração Pública, Sustentabilidade.

Referências


Almada, E. D. (2010). Sociobiodiversidade Urbana: por uma etnoecologia das cidades. In: A. L. Valdeline Atanazio da Silva, Etnobiologia e Etnoecologia: Pessoas & Natureza na América Latina (pp. 37-64). Recife: NUPEEA.

Amador, M. B. M. (2012). Percepção da paisagem do parque Euclides Dourado no município de Garanhuns-PE. VIII Fórum Ambiental da Alta Paulista, 8(4), 1-14.

Balooni, K.; Gangopadhyay, K. & Kumar, B. M. (2014). Governance for private green spaces in a growing Indian city. Landscape and Urban Planning (123), 21-29.

Barbosa, O.; Tratalos, J. A.; Armsworth, P. R.; Davies, R. G.; Fuller, R. A.; Johnson, P. & Gaston, K. J. (2007). Who benefits from access to green space? A case study from Sheffied, UK. Lanscape and Urban Planning, 83, 187-195.

Bargos, D. C. & Matias, L. F. (2011). Áreas verdes urbanas: um estudo de revisão e proposta conceitual. REVSBAU, Piracicaba-SP, 6(3), 172-188.

Barros, M. P.; Musis, C. R. & Hornick, C. (2010). Parque da Cidade Mãe Bonifácia, Cuiabá-MT: topofilia e amenização climática em um fragmento de cerrado urbano. Revsbau, Piracicaba-SP, 5(2), 1-18.

Benchimol, J. F. & Lamano-Ferreira, A. P. N. Distribuição de Praças Públicas na Cidade de São Paulo, SP. (2015). In: Benini, S. M. & Rosin, J. A. R. G (Org.). Estudos Urbanos: uma abordagem interdisciplinar da cidade contemporânea. 1ed.Tupã: ANAP, p. 291-306.

Botelho, J.; Lamano-Ferreira, A. P. N.; Ferreira, M. L. (2014). Os quintais como espaço de conservação e cultivo de plantas nos municípios de Cuiabá e Cáceres (Mato Grosso, Brasil). Revista Ciência Rural, v.44, n.10, p. 1810-1815.

Bovo, M. C. & Amorim, M. C. C. T. (2009). Efeitos positivos gerados pelos parques urbanos: um estudo de caso entre o Parque do Ingá e o Parque Florestal das Palmeiras no município de Maringá/PR. In: XIII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Universidade Federal de Viçosa, (1), 1-15.

Brígido, N. M. & Hirao, H. (2011). A Praça Victor Civita e o desenvolvimento sustentável: uma avaliação do uso, apropriação e imaginário. TÓPOS, 5(2), 9-20.

Brun, F. G. K.; Dobbert, L. Y.; Servolo Filho, H. J.; Zaia, H. B. A. & Silva Filho, D. F. da. (2010). Percepção dos usuários em relação ao conforto ambiental de duas áreas verdes de Piracicaba-SP. REVSBAU, Piracicaba-SP, 5(3), 59-81.

Cavalheiro, F.; Nucci, J. C.; Guzzo, P. & Rocha, Y. T. (1999, julho, agosto e setembro). Proposição de terminologia para o verde urbano. Boletim Informativo da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. SBAU, Rio de Janeiro, RJ, (3).

Chaves, A. M. S. & Amador, M. B. M. (2013). Uso e apropriação da Praça Nossa Senhora da Conceição: uma visão da sustentabilidade ambiental do espaço público de Correntes-PE. IX Fórum Ambiental da Alta Paulista, 9(4), 01-17.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Brasília. Recuperado em 18 de agosto de 2013, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.

Costa, R. G. S. & Colesanti, M. M. (2011). A contribuição da percepção ambiental nos estudos das áreas verdes – Curitiba. RA´E GA, 22, 238-251.

Costa, R. G. S.; Benachio, M. V.; Borges, A. A. S. & Colesanti, M. T. M. (2011). Uso, afetividade e percepção: um estudo da satisfação dos frequentadores do Parque do Sabiá em Uberlândia-MG. Revista de Geografia, 28(1), 14-24.

Del Rio, V. (1999). Cidade da mente, cidade real: percepção ambiental e revitalização na área portuária do RJ. In D. R. Vicente & O. Lívia (Orgs.). Percepção ambiental: a experiência brasileira (2a ed., p. 3-22). São Carlos: Studio Nobel.

Emer, A. A. & Corona, H. M. P. (2013). Percepção ambiental: uma ferramenta para discutir o ambiente urbano. Revista Científica ANAP Brasil, 6(7), 105-121.

Fermino, R. C.; Reis, R. S. & Cassou, A. C. (2012). Fatores individuais e ambientais associados ao uso de parques e praças por adultos de Curitiba-PR, Brasil. Rev. Bras. Cineantropom. Desempenho Hum., 4(4), 377-389.

Ferreira, A. D. (2005). Efeitos positivos gerados pelos parques urbanos: o caso do Passeio Público da cidade do Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental (PPGCA), Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil.

Ferreira, M. L.; Silva, J. L.; Pereira, E. E. & Lamano-Ferreira, A. P. N. (2014). Litterfall Production and Decomposition in a Fragment of Secondary Atlantic Forest of São Paulo, SP, Southestern Brazil. Revista Árvore, v.38, n.4.

Ferreira, M. L.; Pereira, E. E. & Monteiro, P. (2014). Ciclagem de Nutrientes numa Floresta Urbana no Município de São Paulo, SP. Periódico Técnico e Científico Cidades Verdes, v. 2, p. 1-17.

Germano, A. D.; Bichon, D.; Raia, R. Z.; Rêgo, G. M. S.; Higa, T. T.; Kiwara, T. Y.; Brun, F. G. K. & Brun, E. J. (2013). Avaliação de percepção dos usuários de praças públicas de dois vizinhos-PR – Etapa Jardim Concórdia. Synergismus seyentifica UTrPR.

Gidlow, C. J.; Ellis, N. J. & Bostock, S. (2012). Development of the Neighbourhood Green Space Tool (NGST). Landscape and Urban Planning, 106, 347–358.

Gomes, M. A. & Soares, B. R. (2003). A vegetação nos centros urbanos: considerações sobre os espaços verdes em cidades médias brasileiras. Estudos Geográficos, 1, p. 29-39.

Jim, C. Y. & Shan, X. (2013). Socioeconomic effect on perception of urban green spaces in Guangzhou, China. Cities, 31, 123-131.

Lamano-Ferreira, A. P. N.; Ferreira, M. L.; Francos, M. S. & Molina, S. M. G. (2015). Espaços residenciais urbanos e suas implicações na conservação da biodiversidade. In: Benini, S. M. & Rosin, J. A. R. G. (Org.). Estudos Urbanos: uma abordagem interdisciplinar da cidade contemporânea. 1ed.Tupã: ANAP, p. 349-362.

Lamas, J. M. R. G. (2004). Morfologia Urbana e Desenho da Cidade. (3a ed.). Porto, Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Loboda, C. R. & De Angelis, B. L. D. (2005). Áreas verdes urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, 1(1), 125-139.

Macedo, S. S. & Sakata, F. G. (2003). Parques Urbanos no Brasil. São Paulo: EDUSP Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Magalhães, D. S. (2012). Largo da Graça em Salvador-BA: Uma “nova” percepção. GeoTextos, 8(1), 33-54.

Malinowski, R. & Pendiuk, F. (2012). Praça 29 de Março – resgate histórico sob o enfoque da educação e percepção ambiental na cidade de Curitiba-PR. Revista de Divulgação Científica e Cultural do Isulpar, 1(4).

Marten, G. G. (2001). Human Ecology: Basic Concepts for Sustainable Development. Earthscan Publications. 256 pp.

Menezes, J. P. C. de. (2011). Percepção ambiental dos visitantes do Parque Municipal Bosque John Kennedy – Araguari, MG. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande. 26, 103-112.

Meunier, I. M. J. (2009). Percepções e expectativas de moradores do grande Recife-PE em relação aos parques urbanos. Revsbau, Piracicaba-SP, 4(2), 35-43.

Moreira, J. F. R. & Silva, C. A. da. (2013). Paisagem e mídia: os parques urbanos como produto do mercado turístico e imobiliário em Goiânia-GO. Caminhos de Geografia – Revista Online. Uberlândia, 14(46), 220-235.

Oliveira, C. H. (1996). Planejamento ambiental na cidade de São Carlos/SP com ênfase nas áreas públicas e áreas verdes: diagnóstico e propostas. Dissertação de Mestrado em Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

ONU – Organização das Nações Unidas. A ONU em ação. A ONU e o meio ambiente. Recuperado em 2 de março de 2014, em http://www.onu.org.br/a-onu-em-acao/a-onu-e-o-meio-ambiente/.

Paula, P. F. & Pussinini, N. (2011). Estudo de caso: análise comparativa entre o Parque do Cinquentenário e Parque das Palmeiras – Maringá-PR. Revista GEOMAE. Campo Mourão-PR, 2(1), 91-101.

Pereira, D. A. (2013). Valores e sentidos atribuídos à paisagem ambiental urbana no Parque Ecológico Olhos D'Água em Brasília-DF. Dissertação de Mestrado em Educação – Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE, Universidade de Brasília, DF, Brasil.

Pessoa, F. P. C. P. (2009). Percepção ambiental dos visitantes do Parque Estadual Dois Irmãos. Dissertação de Mestrado em Gestão Ambiental – Programa de Pós-Graduação em Gestão e Controle Ambiental – PPCGA, Universidade de Pernambuco, Recife, PB, Brasil.

Pina, J. H. A. & Santos, D. G. (2012). A influência das áreas verdes urbanas na qualidade de vida: o caso dos Parques do Sabiá e Victório Siquierolli em Uberlândia-MG. Ateliê Geográfico, 6(1), 143-169.

Queiroz, D. P. N. & Lamano-Ferreira, A. P. N. (2014). Diversidade e uso de plantas cultivadas em quintais residenciais urbanos localizados na região da Vila Maria, zona norte de São Paulo, SP, Brasil. Revista Unopar, v.16, n.4, p. 299-305.

Rego, G. M. S.; Maria, T. R. B. C.; Brun, F. G. K. & Brun, E. J. (2011). Uso e proposição de revitalização participativa da praça pública Lago da Paz em Dois Vizinhos-PR na visão dos moradores do entorno. "Synergismus scyentifica", Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 6(1).

Rocha, E. A. & Abjaud, T. T. (2012). A metropolização de Belo Horizonte e sua relação com as áreas verdes e o turismo: Parque das Mangabeiras x Praça Sete. Revista Acadêmica, VII(3), 63-85.

Rocha, J. R. & Werlang, M. K. (2005). Índice de cobertura vegetal em Santa Maria: o caso do Bairro Centro. Ciência e Natura, UFMS, 27(2), 85-99.

Santucci, J. (2003). As promenades do Rio de Janeiro: o papel do Passeio Público, Praça Paris e Parque do Flamengo na história da paisagem carioca. Dissertação de mestrado em Arquitetura, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Seeland, K.; Dübendorfer, S. & Hansmann, R. (2009). Making friends in Zurich’s urban forests and parks: The role of public green space for social inclusion of youths from different cultures. Forest Policy and Economics (11), 10-17.

Silva, E. A. P. C. da; Silva, P. P. C. da; Moura, P. V. de; Scocuglia, J. B. C. & Freitas, C. M. S. M. de. (2013). Emoções e sentimentos nos espaços de lazer da cidade. Revista Pensar a Prática. Goiânia, 16(1), 85-100.

Silva, K. C. & Sammarco, Y. M. (2012, outubro). Pertencimento em relação ao Bosque Campos Prado: um estudo de percepção ambiental da comunidade do entorno. Anais – 4o Simpósio de Tecnologia em Meio Ambiente e Recursos Hídricos – FATEC – Jahu, 223-238.

Silva, T. S.; Cândido, G. A. & Freire, E. M. X. (2009). Conceitos, percepções e estratégias para conservação de uma estação ecológica da caatinga nordestina por populações do seu entorno. Sociedade & Natureza, Uberlândia, 21(2), 23-27.

Souza, A. P. (2009). Análise da qualidade ambiental urbana em praças públicas através da percepção dos seus usuários: o caso da Praça Dois de Julho – Campo Grande Salvador-Bahia. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Urbana, Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Tuan, Y. F. (2012). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Eduel.

Vargas, H. C. (2001). Espaço Terciário: o lugar, a arquitetura e a imagem do comércio. São Paulo: Editora SENAC.

Whyte, A. V. T. (1978). La perception de l’enviroment: lignes directrices méthodologiques pour les études sur le terrain. Recuperado em 22 de maio de 2013, de http://unesdoc.unesco.org/images/0002/000247/024707fo.pdf.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000