Modernização Ecológica e Responsabilidade Social Empresarial

Naira Tomiello, Júlia Silvia Guivant

Resumo


O artigo trata do papel social e ambiental das empresas revelado no conceito de Responsabilidade Social Empresarial (RSE) e analisado à luz da Teoria da Modernização Ecológica (TME). O objetivo geral do estudo consiste em compreender a RSE à luz da TME por meio de uma pesquisa em profundidade de um programa de RSE denominado Clube dos Produtores. Este programa propõe-se influenciar a cadeia produtiva a adotar práticas responsáveis e sustentáveis, e visa a fortalecer os pequenos e médios produtores por meio de ações estruturadas, tais como formação, capacitação e inspeção, estimulando a qualidade, a inovação e o aumento da produtividade. Ele é conduzido, paralelamente, em Portugal, pela Rede Sonae de Distribuição e, no Brasil, pela empresa Walmart. A coleta de dados abrangeu ambos os Países. Em Portugal, o Clube dos Produtores surgiu para conjugar sinergia entre a distribuição e a produção e promover o desenvolvimento da produção nacional; toma a vertente ambiental como a gênese para sua criação; mantém um enfoque nacionalista por meio do estímulo ao consumo dos produtos nacionais; reconhece a pressão dos consumidores  como a  força  para  a inovação permanente dos produtos e serviços; concilia tradição e modernidade por meio de produtos aceitos por gerações distintas. No Brasil, o Clube é sustentado no discurso do tripé da sustentabilidade; a sensibilização dos clientes sobre as questões ambientais não foi captada na pesquisa; as inovações dos produtores decorrem das suas próprias iniciativas em participar de feiras ou contato direto com os consumidores; o diálogo entre tradição e modernidade ocorre, prioritariamente, mediante a capacidade empreendedora dos produtores e menos pela intervenção direta da empresa Walmart.


Palavras-chave


Clube dos Produtores, Cadeia Produtiva, Qualidade. Inovação.

Referências


Beck, U. (1999). O que é globalização? equívocos do globalismo: respostas à globalização. São Paulo: Paz e Terra

Cohen, M. & Howard, J. (2006). Sucess and Price. The institucionalization and political relevance of industrial ecology. Journal of Industrial Ecology. V. 10, n. 1-2, p. 79-88

Guivant, J. S. (2009). O controle de mercado através da eco-eficiência e do eco-consumo: uma análise a partir dos supermercados. Política e Sociedade. Florianópolis. V. 8, n.15, out..

Hajer, M. (1995). The politics of environmental discourse: ecological modernization and policy process. Clarendon Press: Oxford

Hannigan, J. (2009). Sociologia ambiental. Tradução de Annahid Burnett. Petrópolis, RJ: Ed. Vozes, 2ª ed

Huber, J. (1986). La inociencia perdida de la ecologia. Las nuevas tecnologias el desarrollo

superindustrial. Buenos Aires: Editorial Abril

Huber, J. (2000). Toward industrial ecology: sustainable development as a concept of ecological modernisation. Journal of Environmental Policy and Planning. V. 2, n. 4, p. 269-85,

Jänicke, M. (2008.). Ecological modernisation: new perspectives. Journal of Cleaner

Production. 16, p. 557-565

Jonas, H. (2006). O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio

Lenzi, C. L. (2006). Modernização ecológica e a política ambiental catarinense. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, n°39, p. 117-134, Abril

Lenzi, C.L. (2005). Sociologia ambiental: risco e sustentabilidade na modernidade. Bauru, SP: Edusc, (Coleção Ciências Sociais).

Macedo, L.C., Cardoso, R.C. & Freiria, F. (2006). Varejo e responsabilidade social. In: Parente, J. & Gelman, J. J. (Org.) Varejo e responsabilidade social: visão estratégica e prática no Brasil. Porto Alegre: Bookman p. 15-30

Mol, A. P. J. (2000). A globalização e a mudança dos modelos de controle e poluição industrial: a teoria da modernização ecológica. In: Herculano, S. C. & Porto M. F. de S., Freitas, C. M. (Org.). Qualidade de vida e riscos ambientais. Niterói: Eduff. p. 267 a 281.

Mol, A. P. J. & Spaargaren, G. (2002). Ecological modernization and the environmental state. In: Mol, A.P. J. & Buttel, F. (Org.) (2002). The environmental state under pressure. London: Elsevier, p. 33-52.

Mol, A. P. J. & Spaargaren, G. (2005). Para uma sociologia dos fluxos ambientais: uma nova agenda para a sociologia ambiental do século XXI. Revista Política & Sociedade. Florianópolis, n.7, p. 27-76, outubro

Nakagawa, L. (2008). A teoria da modernização ecológica e os mecanismos de desenvolvimento limpo. IV Encontro Nacional da Anppas, Brasília, junho

Olivieri, A. G. (2009). A teoria da modernização ecológica: uma avaliação crítica dos

fundamentos teóricos. 199 f. (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília. Instituto de Ciências Sociais

Produção (2010). Revista do Clube dos Produtores da Rede de Distribuição Sonae. Portugal, 1999-

Ramos, A. G. (1981). A nova ciência das organizações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1981.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Nobel/Fundap

Sen, A. (2006). Ética da empresa e desenvolvimento econômico. In: Cortina, A. Construir confiança: ética da empresa na sociedade da informação e das comunicações. São Paulo: Edições Loyola

Spaargaren, G. (1996). The ecological modernization of production and consumption. Essays

in Environmental Sociology. Wageningen: University of Wageningen

Spaargaren, G. (2000). Ecological modernization theory and the changing discourse on environment and modernity. In: Spaargaren, G., Mol, A. P. J. & Buttel, F. (Org.). Environment and global modernity. London: Sage, p. 41-71.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000