Análise de Viabilidade Econômica para Sistemas de Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos no Município de Marechal Cândido Rondon – PR

Anderson Giovane Sontag, Igor Kenji Hilahata Cruz, Fernanda Paola Butarelli, Geysler Rogis Flor Bertolini

Resumo


A disposição de resíduos sólidos tem sido um fator crítico na gestão urbana. Os sistemas de tratamento por aterros sanitários predominam, mas novas alternativas têm sido desenvolvidas, respaldadas pela alta tecnologia, porém o investimento financeiro exerce uma forte restrição nessa decisão. Desse modo, é economicamente viável a implantação de um equipamento Alfa em substituição aos aterros sanitários? O objetivo foi levantar os custos com o aterro sanitário e mensurar os custos para implantação de um sistema de tratamento térmico. A metodologia foi uma pesquisa aplicada, exploratória, caracterizada como um estudo de caso na cidade de Marechal Cândido Rondon – Paraná. Os resultados demonstram que a substituição não é economicamente viável, optando-se pela permanência do aterro sanitário. A nova tecnologia possui um grande potencial ambiental e social, essencialmente nas cidades onde o espaço físico é bastante restrito ou de alto custo.



Palavras-chave


Aterro Sanitário, Gestão Pública, Tratamento Térmico.

Referências


Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. (2014). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. Recuperado em 16 agosto, 2015, de http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2014.pdf.

Barreira, L. P., Philippi Junior, A., & Rodrigues, M. S. (2006, out/dez). Usinas de compostagem do Estado de São Paulo: qualidade dos compostos e processos de produção. Engenharia Sanitária ambiental, 11(4), 385-393.

Capelo Neto, J., & Castro, M. A. H. D. (2005). Simulação e avaliação do desempenho hidrológico da drenagem horizontal de percolado em aterro sanitário. Engenharia Sanitária ambiental, 10(3), 229-235.

Chandramowli, S., Transue, M., & Felder, F. A. (2011). Analysis of barriers to development in landfill communities using interpretive structural modeling. Habitat International, 35(2), 246-253.

Conselho Nacional do Meio Ambiente. (1993). Resolução Conama no 5, de 5 de agosto de 1993. Dispõe sobre o gerenciamento de resíduos sólidos gerados nos portos, aeroportos, terminais ferroviários e rodoviários. Publicada no Diário Oficial da União no 166, de 31 de agosto de 1993, Seção 1, páginas 12996-129818.

Demajorovic, J. (1995, maio/jun). Da política tradicional de tratamento do lixo à política de gestão de resíduos sólidos. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 88-93.

Dmitrijevas, C. (2010). Análise de ecoeficiência de técnicas para tratamento e disposição de resíduos sólidos urbanos. 115 f. Dissertação (Mestrado em Ciências na Área de Tecnologia Nuclear – Materiais) – Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Eigenheer, E. M. (2009). A limpeza urbana através dos tempos. (1a. ed.). Porto Alegre: Gráfica Pallotti.

European Estatistic. (2013). Municipal waste generation and treatment, by type of treatment method. Recuperado em 4 novembro, 2015, de http://ec.europa.eu/eurostat/tgm/graph.do?tab=graph&plugin=1&pcode=tsdpc240&language=en&toolbox=data.

Ferreira, M. I., Petrenko, H., Lobo, D. J. D. A., Rodrigues, G. S., Moreira, A., & Saldiva, P. H. N. (2000). In situ monitoring of the mutagenic effects of the gaseous emissions of a solid waste incinerator in metropolitan Sao Paulo, Brazil, using the Tradescantia stamen-hair assay. Journal of the Air & Waste Management Association, 50(10), 1852-1856.

Furlan, W. (2007). Modelo de decisão para escolha de tecnologia para o tratamento de resíduos sólidos no âmbito de um município. 240 f. Tese (doutorado em Administração) Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. (5a. ed). São Paulo: Atlas.

Hjelmar, O. (1996). Disposal strategies for municipal solid waste incineration residues. Journal of Hazardous Materials, 47(1), 345-368.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 20 julho, 2014, de http://www.censo2010.ibge.gov.br.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015). Síntese de informações de Marechal Cândido Rondon – PR. Recuperado em 24 agosto, 2015, de http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?lang=&codmun=411460&search=parana|marechal-candido-rondon|infograficos:-dados-gerais-do-municipio.

Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. (2015). Caderno estatístico município de Marechal Cândido Rondon – PR. Recuperado em 19 agosto, 2015, de http://www.ipardes.gov.br/cadernos/MontaCadPdf1.php?Municipio=85960&btOk=ok.

Leão, A. L., & Tan, I. H. (1998, março). Potential of municipal solid waste (MSW) as a source of energy in São Paulo: its impact on CO2 balance. Biomass and Bioenergy, v. 14, n. 1, p. 83-89.

Lei no 12.305, de 2 de Agosto de 2010. (2010) Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Recuperado em 20 de julho, 2014, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

Martins, E. (2010). Contabilidade de custos. (10a. ed.). São Paulo: Atlas.

Martins, E., & Rocha, W. (2010). Métodos de custeio comparados: custos e margens analisados sob diferentes perspectivas. São Paulo: Atlas.

Monteiro, J. H. P., Figueiredo, C. E. M., Magalhães, A. F., Melo M. A. F., Brito J. C. X., Almeida, T. P. F., Mansur G. L. (2001). Manual de gerenciamento integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM.

Nakamura, C. Y., Marques, E., Vilela, P., Oda, T., Lima, L., Costa, R., & Azevedo, I. C. (2014). Avaliação da qualidade da água subterrânea no entorno de um aterro sanitário. Águas Subterrâneas, 28(2), 28-40.

Paro, A. C., Costa, F. C., & Coelho, S. T. (2008, jul/dez). Estudo comparativo para tratamento de resíduos sólidos urbanos: aterros sanitários x incineração. Revista Brasileira de Energia, 14(2), 113-125.

Renou, S., Givaudan, J. G., Poulain, S., Dirassouyan, F., & Moulin, P. (2008). Landfill leachate treatment: review and opportunity. Journal of Hazardous Materials, 150(3), 468-493.

Santos, A. T. L., Henrique, N. S., Shhlindwein, J. A., Ferreira, E., & Stachiw, R. (2014). Aproveitamento da fração orgânica dos resíduos sólidos urbanos para produção de composto orgânico. Revista Brasileira de Ciências da Amazônia, 3(1), 15-28.

Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. (2013). Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. Recuperado em 20 julho, 2014, de http://www.snis.gov.br/PaginaCarrega.php?EWRErterterTERTer=16.

Silva, C. L. da, Rabelo, J. M. O., Ramazzotte, V. C. B, Rossi, L. F. S., & Bollamann, H. A. (2009). A cadeia de biogás e a sustentabilidade local: uma análise socioeconômica ambiental da energia de resíduos sólidos urbanos do aterro da Caximba em Curitiba. Innovar. Revista de Ciencias Administrativas y Sociales, 19(34), 83-98.

Soares, S. R., Lupatini, G., & Castilhos, A. B. de. (2002). Sistema de apoio à decisão (SAD) em seleção de áreas de aterros sanitários para pequenas comunidades. In: Castilhos, A. B. de, Lange, L. C., Gomes, L. P., & Pessin, N. (2002). Alternativas de disposição de resíduos sólidos urbanos para pequenas comunidades: coletânea de trabalhos técnicos. Rio de Janeiro: RiMa, p. 3-12.

Solum Ambiental. (2014). Solum Waste Solution: Unidade de tratamento de resíduos sólidos. Recuperado em 1 agosto, 2014, de http://www.solumambiental.com.br.

Tang, J. (2012). A cost‐benefit analysis of waste incineration with advanced bottom ash separation technology for a Chinese municipality – Guanghan. Recuperado em 4 novembro, 2015, de http://www.seas.columbia.edu/earth/wtert/sofos/PubDat_210340.pdf.

Tigini, V., Prigione, V., & Varese, G. C. (2014). Mycological and ecotoxicological characterisation of landfill leachate before and after traditional treatments. Science of The Total Environment, 487, 335-341.

Van Dijen, F. K. (2003). New initiatives on municipal solid waste incineration (MSWI) in the Netherlands. VGB PowerTech, 83(7), 57-59.

Yin, R. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução Daniel Grassi. (2a. ed.). Porto Alegre: Bookman.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000