Disclosure Ambiental das Companhias do Setor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Listadas na BM&FBOVESPA: Uma Análise à Luz da Teoria da Legitimidade

Juliane Campoe Correa, Marguit Neumann Gonçalves, Romildo de Oliveira Moraes

Resumo


Este estudo tem como objetivo identificar, à luz da Teoria da Legitimidade, quais informações ambientais estão sendo divulgadas pelas empresas em suas Demonstrações Financeiras Padronizadas (DFPs). O disclosure ambiental diz respeito à divulgação de informações relacionadas ao meio ambiente como resposta as pressões exercidas pela sociedade, que exigem das empresas uma postura ambientalmente mais responsável com o intuito de diminuir os efeitos ambientais causados por suas atividades. Em muitos países, assim como no Brasil, o disclosure ambiental é voluntário e algumas teorias tentam explicar os motivos que levam as empresas à divulgação dessas informações. Trata-se de um estudo descritivo, com abordagem qualitativa e análise de conteúdo das DFPs referentes aos anos de 2011, 2012 e 2013. A amostra foi constituída por empresas de capital aberto listadas na BM&FBovespa do setor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis. Os resultados demonstram que as empresas divulgam mais informações relacionadas a “Política Ambiental” e a “Informações Financeiras Ambientais”. Observa-se a divulgação de informações positivas e a omissão dos aspectos negativos com características superficiais e pouco detalhadas. Depreende-se que a forma mais legítima de uma empresa deve ser pautada na transparência de seus atos e no equilíbrio entre o desenvolvimento ambiental e econômico, assim ela terá maiores condições de garantir a perpetuidade de seus negócios.


Palavras-chave


Disclosure ambiental; Teoria da Legitimidade; Demonstrações Financeiras Padronizadas

Referências


Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (2014). Sobre ANP. Recuperado em 4 julho, 2014, de http://www.anp.gov.br/?pg=70721&m=&t1=&t2=&t3=&t4 =&ar=&ps=&cachebust=1404481904741.

Alves, J. F. V., De Luca, M. M. M. de, Cardoso, V. I. da C., & Vasconcelos, A. C. de. (2013). Relação entre desempenho econômico e desempenho ambiental de empresas no Brasil e na Espanha. Revista Ambiente Contábil, 5(2), 151-172.

Bauer, M. W., Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto imagem e som: Um manual prático. Rio de Janeiro: Vozes.

Bebbington, J., Larrinaga, C., & Moneva, J. M. (2008). Corporate social reporting and reputation risk management. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(3), 337-361.

Behram, N. K. (2015). A cross-sectoral analysis of environmental disclosures in a legitimacy theory context. Journal of Management and Sustainability, 5(1), 20-37.

Beuren, I. M., Nascimento, S. do, & Rocha, I. (2013). Nível de evidenciação ambiental e desempenho econômico de empresas: aplicando a análise envoltória de dados. Future Studies Research Journal, 5(1), 198-226.

Beuren, I. M., & Söthe, A. (2009). A teoria da legitimidade e o custo político nas evidenciações contábeis dos governos estaduais da região Sudeste do Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(5), 98-120.

Braga, C., Sampaio, M. S. A., Santos, A. dos, & Silva, P. P. da. (2011). Fatores determinantes do nível de divulgação ambiental no setor de energia elétrica no Brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, 4(2), 230-262.

Burgwal, D. van de, Vieira, R. J. O. (2014). Determinantes da divulgação ambiental em companhias abertas holandesas. Revista Contabilidade & Finanças, 25(64), 60-78.

Calixto, L., Barbosa, R. R., & Lima, M. B. (2007). Disseminação de informações ambientais voluntárias: Relatórios contábeis versus internet. Revista Contabilidade & Finanças (Edição 30 anos de Doutorado), 84-95.

Cantagallo, C., Milanelli, J. C. C., & Brito, D. D. (2007). Limpeza de ambientes costeiros brasileiros contaminados por petróleo: uma revisão. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, 2(1), 1-12.

Cho, C. H., Freedman, M., & Patten, D. M. (2012). Corporate disclosure of environmental capital expenditures. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 25(3), 486-507.

Cho, C. H., Laine, M., Roberts, R. W., & Rodrigue, M. (2015). Organized hypocrisy, organizational façades, and sustainability reporting. Accounting, Organizations and Society, 40, 78-94.

Clarkson, P. M., Li, Y., Richardson, G. D., & Vasvari, F. P. (2008). Revisiting the relation between environmental performance and environmental disclosure: An empirical analysis. Accounting, Organizations and Society, 33, 303-327.

Comier, D., & Magnan, M. (2013). The economic relevance of environmental disclosure and its impact on corporate legitimacy: An empirical investigation. Business Strategy and the Environment. doi: 10.1002/bse.1829. Recuperado em 27 maio, 2015, de http://onlinelibrary. wiley.com/doi/10. 1002/bse.1829/pdf.

Conceição, S. H. da, Dourado, G. B., Baqueiro, A. G., Freire, S., & Brito, P. das C. (2011). Fatores determinantes no disclosure em Responsabilidade Social Corporativa (RSC): Um estudo qualitativo e quantitativo com empresas listadas na Bovespa. Gestão de Produção, 18(3), 461-472.

Deegan, C. (2002). The legitimising effect of social and environmental disclosures – A theoretical foundation. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15(3).

Elijido-Ten, E., Kloot, L., & Clarkson, P. (2010). Extending the application of stakeholder influence strategies to environmental disclosures: An exploratory study from a developing country. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 33(8), 1032-1059.

Eugenio, T. (2010). Avanços na divulgação de informação social e ambiental pelas empresas e a teoria da legitimidade . Revista Universo Contábil, 6(1), 102-118.

Fernandes, S. M. (2013). Fatores que influenciam o disclosure ambiental: Um estudo nas empresas brasileiras no período de 2006 a 2010. Revista Ambiente Contábil, 5(2), 250-267.

Fifka, M. S. (2013). Corporate responsibility reporting and its determinants in comparative perspective – A review of the empirical literature and a meta-analysis. Business Strategy and the Environment, 22, 1-35.

Gómez, N. A., & Cerna, L. M. (2010). Divulgación de información sobre responsabilidad social por los bancos chilenos: Una aproximación desde la teoría de la legitimidad. Economia Global e Gestão, 15(2), 115-135.

Hahn, R., & Lulfs, R. (2014). Legitimizing negative aspects in gri-oriented sustainability reporting: A qualitative analysis of corporate disclosure strategies. Journal of Business Ethics, 123, 401-420.

Hassan, A., & Kouhy, R. (2015). From environmentalism to corporate environmental accountability in the Nigerian petroleum industry: Do green stakeholders matter? International Journal of Energy Sector Management, 9(2).

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (2014). Sobre IBAMA. Recuperado em 4 julho, 2014, de http://www.ibama.gov.br/acesso-a-informacao/identidade-organizacional.

Kronbauer, C. A., & Silva, M. M. da. (2012). Disclosure ambiental: Análise do grau de evidenciação nas demonstrações contábeis das empresas de transporte. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17, 32-46.

Lemos, L. V., Lagioia, U. C., Santos, J. F., Libonati, J. J., & Silva, L. L., Filho (2014). Mercado de ações: Um estudo sobre o interesse do investidor em critérios não financeiros considerados na tomada de decisão. Revista de Contabilidade e Controladoria, 6(1), 43-58.

Machado, M. A. V., Macedo, M. A. S., Machado, M. R., & Siqueira, J. R. M. (2012). Análise da relação entre investimentos socioambientais e a inclusão de empresas no índice de sustentabilidade empresarial (ISE) da BM&FBOVESPA. Revista de Ciências da Administração, 14(32), 141-156.

Moreira, N. B., Dias, J. M., Filho, Gomes, S. M. S., & Conceição, M. G. (2014). Fatores que impactam a divulgação voluntária de informações socioambientais na percepção dos gestores. REUNIR: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 4(1), 62-82.

Nascimento, L. F. (2012). Gestão ambiental e sustentabilidade. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC. Recuperado em 2 julho, 2014, de http://www.ufjf.br/engsanitariaeambiental/files/2012/09/ Livrotexto_Gest ao_Ambiental_Sustentabilidade.pdf.

Nossa, V. (2002). Disclosure ambiental: Uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-21122005-101506/pt-br.php.

O’Donovan, G. (2002). Environmental disclosures in the annual report: Extending the applicability and predictive power of legitimacy theory. Accounting, Auditing and Accountability Journal, 15(3), 344-371.

Oliveira, R. C., & Santos, J. B. dos. (2007). Gestão ambiental nas empresas do setor de petróleo e gás em Mossoró-RN. Holos, 3, 126-137.

Raffaelli, S. C. D., Amaro, H. D., Silva, W. V. da, & Almeida, L. B. de. (2014). Alisamento de resultados e disclosure ambiental: Uma investigação no setor de siderurgia e metalurgia brasileiro. Revista Ambiente Contábil, 6(1), 163-182.

Ribeiro, A. M., Bellen, H. M. V., & Carvalho, L. N. G. de. (2011). Regulamentar faz diferença? O caso da evidenciação ambiental. Revista de Contabilidade & Finanças, 22(56), 137-154.

Ribeiro, R. B., & Silva, J. D. G. da. (2010). Estágio de adequação das informações contábeis às normas internacionais de contabilidade no setor de petróleo, gás e biocombustíveis. REPeC – Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 4(3), 70-93.

Rodrigue, M. (2014). Contrasting realities: corporate environmental disclosure and stakeholder-released information. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 27(1), 119-149.

Rover, S., Murcia, F. D., Borba, J. A., & Vicente, E. F. R. (2008). Divulgação de informações ambientais nas demonstrações contábeis: um estudo exploratório sobre o disclosure das empresas brasileiras pertencentes a setores de alto impacto ambiental. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(2), 53-72.

Rover, S., Tomazzia, E. C., Murcia, F. Dal-Ri, & Borba, J. A. (2012). Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando a análise de regressão em painel. Revista de Administração (São Paulo), 47(2), 217-230.

Silverman, D. Interpretação de dados qualitativos: métodos para análise de entrevistas, textos e interações. Porto Alegre: Artmed.

Spence, C., Husillos, J., & Correa-Ruiz, C. (2010). Cargo cult science and the death of politics: A critical review of social and environmental accounting research, Critical Perspectives on Accounting, 21, 76-89.

Villiers, C. de, & Staden, C. J. van. (2006). Can less environmental disclosure have a legitimising effect? Evidence from Africa. Accounting, Organizations and Society, 31, 763-781.

Voss, B. L., Pfitscher, E. D., Rosa, F. S., & Ribeiro, M. S. (2013). Evidenciação ambiental dos resíduos sólidos de companhias abertas no Brasil potencialmente poluidoras. Revista Contabilidade & Finanças, 24(62), 125-141.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000