Responsabilidade Social Corporativa e Estrutura Organizacional em Empresas Participantes do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP)

Andressa Hennig Silva, Janaina Marchi, Tatiane de Andrade Neves Hörbe, Gilnei Luiz de Moura

Resumo


Dentre as complexidades do atual mundo globalizado, a Responsabilidade Social Corporativa surge como um tema emergente e dinâmico que goza de atenção crescente no contexto organizacional à medida que torna-se uma obrigação para as empresas que quiserem se manter competitivas no mercado. Frente a esse contexto, o objetivo central deste trabalho consiste em analisar as formas como as empresas incorporam a responsabilidade social corporativa em suas estruturas organizacionais. Quanto aos procedimentos metodológicos, este estudo configura-se como de abordagem quantitativa, caráter descritivo e survey como delineamento de pesquisa. Como instrumento de coleta de dados aplicou-se um questionário adaptado de Aldama; Amar; Trostianki (2009) em uma amostra de 15 empresas vencedoras do Prêmio Qualidade RS, nos anos de 2011 a 2013 nas categorias Diamante, Prata e Ouro. Como resultados observou-se que as empresas adotam diferentes formas de incorporação da função de RSC à estrutura organizacional, sendo que grande parte ainda está em fase de estruturação, uma vez que as atividades e responsabilidades desse setor não são desempenhadas por uma divisão específica, mas sim ligadas a outros setores, como o de gestão da qualidade, o qual impulsionou a adoção de RSC pelas empresas.


Palavras-chave


Responsabilidade Social Corporativa; Estrutura Organizacional; Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade.

Referências


Amaratunga, D.; Baldry, D.; Sarshar, M.; Newton, R. (2002). Quantitative and qualitative research in the built environment: application of “mixed” research approach. Work Study, v. 51, n.1.

Alves, A. P. F.; Nascimento, L. F. M. (2013). Green Supply Chain: protagonista ou coadjuvante no Brasil? Revista de Administração de Empresas. RAE. FGV-EAESP, São Paulo, v. 54, n. 5.

Bastos, A. T.; Vieira, F. S. F da; Oliveira, A. G. de; Assis, O. F. G, de. (2014). Redes e responsabilidade social corporativa: um estudo de caso. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS Vol. 3, N. 3, setembro/dezembro.

Bissell, B.; Zamora, B. (1993). Organizational structure: the neglected aspect of the management of modern environmental health organizations. Journal of Environmental Health, v. 55, n. 8, p. 23-34.

Brío, J. Á.; Fernandez, E.; Junquera, B.; Vázquez, C. J. (2001). Environmental managers and departments as driving forces of TQEM in Spanish industrial companies. International Journal of Quality & Reliability Management, v. 18, n. 5, p. 495-511.

Chandler Jr.; Alfred. D. (1998). Introdução à Estratégia e Estrutura. In Ensaios para uma Teoria Histórica da Grande Empresa. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Corazza, R. I. (2003). Gestão ambiental e mudanças da estrutura organizacional. Revista de Administração de Empresas (RAE-eletrônica), v. 2, n. 2, p. 1-23.

Cochran, P. L. (2007). The evolution of corporate social responsibility. Business Horizons, v. 50, n. 6, p. 449-454.

Cordero, C. (2004). La Responsabilidad Social Corporativa: la relación con las partes interesadas. In: De La Cuesta, M. (Org.). Responsabilidad Social Corporativa. Salamanca: Publicaciones de la Universidad Pontificia de Salamanca.

Hall, R. H. (2004). Organizações: estruturas, processos e resultados. 8 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Gil, A. C. (2009). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Hair Jr., J. F.; Babin, B.; Money, A. H.; Samouel, P. (2005). Fundamentos de Métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hamza, M. K.; Dalmarco, D. A. S de. (2013). Integração entre estratégia competitiva e práticas de responsabilidade social corporativa: um estudo exploratório nos cinco maiores supermercados brasileiros. Revista de Gestão Social e Ambiental – RGSA, São Paulo, v. 6, n. 3.

Hunger, D. J.; Wheelen, T. L. (1996). Strategic Management. 5ed. Addison Wesley Publishing Company.

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL. (2008). Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial. São Paulo: ETHOS. Acesso em: 20 de maio, 2014, em: .

Isenmann, R. (2003). Industrial ecology: shedding more light on its perspective of understanding nature as model. Sustainable Development, v. 11, n. 3, p. 143-158.

Jabbour, C. J. C. (2009). Managing quality for environmental excellence: strategies, outcomes, and challenges in companies located in Brazil. Environmental Quality Management, v. 18, n. 4, p. 61-71.

Machado Filho, C. A. P.; Zylbersztajn, D. (2004). Capital reputacional e responsabilidade social: considerações teóricas. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 11, n. 2, p. 87-98.

Meleti, M. V.; Fadel, B.; Smith, M. (2012). Perspectiva sistêmica da sustentabilidade nas organizações sob a ótica da cultura organizacional e sua repercussão no desenvolvimento regional. Revista Gestão & Conhecimento. Edição especial.

Melo, Neto, F. P.; Froes, C. (1999). Responsabilidade Social e Cidadania Empresarial: A Administração do Terceiro Setor. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Merino, S. A. (2005). Responsabilidad Social Corporativa: su dimensión laboral. Documentación Laboral, Madrid, vol. 3, n. 75, p. 51-80.

Nikolaeva, R.; Bicho, M. (2011). The role of institutional and reputational factors in the voluntary adoption of corporate social responsibility reporting standards. Journal of The Academy of Marketing Science, New York: Springer, n. 39, p. 136-157.

Pinsonneault, A.; Kraemer, K. L. (1993). Survey research in management information systems: an assessment. Journal of Management Information System.

Quelhas, O. L. G.; Alledi Filho, C. (2006). Responsabilidade Social nas organizações brasileiras. In: Cantarino, A. A. A. (Org.). Sustentabilidade das Organizações Brasileiras. Rio de Janeiro: ABEPRO.

Quintana, A. C.;. Marca, L. S.; Quintana, C. G. (2012). Estratégias de sustentabilidade em gestão socioambiental: um estudo de caso em uma empresa do setor portuário. Revista Iberoamericana de Contabilidad de Gestion – RIGC, v. 10, n. 19.

Silveira, M. A. (Org). (2012). Gestão da sustentabilidade organizacional: inovação, aprendizagem e capital humano. Campinas, SP: CTI (Centro de Tecnologia da Informação “Renato Archer”), v. 12.

Sousa, A. C. C. (2006). Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável: a incorporação dos conceitos à Estratégia Empresarial. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Acesso em 28 de maio 2014, em: < http://www.ppe.ufrj.br/ppe>.

Tenório, F. G. (2006). Responsabilidade social empresarial: teoria e prática. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV.

Tilling, M. V.; Tilt, C. A. (2010). The edge of legitimacy: voluntary social and environmental reporting in Rothmans’ 1956-1999 annual reports. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 23, p. 55-81.

Xavier, A. V. (2010). Responsabilidade Social Corporativa: Um Enfoque Multidisciplinar no Contexto Globalizado. Desenvolvimento em Questão. Editora Unijuí. Ano 8. N. 6.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000