O Uso e a Importância dos Indicadores de Sustentabilidade nas Organizações – Estudos de Casos em Empresas de Energia Elétrica

Antonio Carlos Alcantara Thimoteo, Marcos Paixão Garcez, Flavio Junior Hourneaux Junior

Resumo


O estudo busca compreender o uso e a importância dos indicadores e dimensões de sustentabilidade baseados nas diretrizes do Global Reporting Initiative (GRI) em duas empresas de alta expressividade no segmento de energia elétrica brasileiro, por meio de um estudo de casos. Os dados foram coletados por meio de entrevistas e aplicação de questionários. Os resultados mostram que as empresas utilizam grande parcela dos indicadores do GRI e que os gestores observam como importantes as três dimensões de sustentabilidade, embora o grau de importância referente às dimensões de sustentabilidade se altere. Tal resultado pode ser atribuído a diferenças na maturidade da gestão sustentável e na abrangência dos processos de atuação. Assim, a Empresa 1, que atua na geração, transmissão e distribuição de energia, e aparenta maior maturidade na gestão sustentável, possui uma preocupação mais uniforme para as três dimensões, enquanto a Empresa 2, que opera com a transmissão e distribuição, tem uma menor preocupação com a dimensão ambiental.

Palavras-chave


Sustentabilidade; Indicadores; GRI

Referências


Arantes, A. O.; Freire, F. S. & Mattos Barreto Junior, E. A. (2013). Teoria da identidade: estudo da existência de ações socioambientais semelhantes no setor elétrico brasileiro. BBR – Brazilian Business Review, vol. 10, n. 2, p. 51-73.

Araújo, G. P. & Almeida, J. R. (2013). Utilização de Indicadores de Biodiversidade em Relatórios de Sustentabilidade de Empresas do Setor Elétrico Brasileiro. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, Aquidabã, v. 4, n. 2.

Bossel, H. (1998). Earth at a crossroads: paths to a sustainable future. Cambridge: Cambridge University Press.

_______. (1999). Indicators for sustainable development: theory, method, applications: a report to the Balaton Group. Winnipeg: IISD.

Calixto, L. (2013). A divulgação de relatórios de sustentabilidade na América Latina: um estudo comparativo. Revista Administração (RAUSP), São Paulo, v. 48, n. 4, p. 828-842.

Campos, L. M. de S.; Sehnem, S.; Oliveira, M. de A. S.; Rossetto, A. M.; Coelho, A. L. de A. L. & Dalfovo, M. S. (2013). Sustainability report: profile of Brazilian and foreign organisations according to the Global Reporting Initiative guidelines. Gestão & Produção, 20(4), 913-926.

Carvalho, R. Q. & Santos, G. V. (2015). Gestão Estratégica de P&D+i em uma Empresa Pública do Setor Elétrico Brasileiro. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 15, n. 1, p. 32-67.

Dawkins, C. & Ngunjiri, F. W. (2008). Corporate Social Responsibility reporting in South Africa. Journal of Business Communication, v. 45, n. 3, 286-307.

Dias, R. (2006). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2006.

Dyllick, T. & Hockerts, K. (2002). Beyond the business case for corporate sustainability. Business Strategy and the Environment, v. 11, p. 130-141.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building Theories from Case Study Research. Academy of Management Review, vol. 14, n. 4, p. 522-550.

Elkington, J. (2001). Cannibals with forks and knives. São Paulo: Makron Books.

Furtado, J. S. (2005). Sustentabilidade empresarial: Guia de práticas econômicas, ambientais e sociais: Salvador: NEAMA/CRA, 188 p.

Gallopin, G. C. (1996). Environmental and sustainability indicators and the concept of situational indicators. A system approach. Environmental Modelling and Assessment, n. 1, p. 101-117.

Gohr, C. F. & Santos, L. C. (2011). Contexto, conteúdo e processo da mudança estratégica em uma empresa estatal do setor elétrico brasileiro. Revista de Administração Publica – RAP, vol. 45(6), p. 1673-1706.

Goldemberg, J. (2015). O estado atual do setor elétrico brasileiro. Revista USP, São Paulo, n. 104, p. 37-44.

GRI – Global Reporting Initiative. (2008). Sustainability Reporting Guidelines. Acesso em 4 de março de 2012. Disponível em http://www.globalreporting.org.

______. (2011). G3.1 Sustainability Reporting Guidelines, Netherlands.

______. (2013). G4 Sustainability Reporting Guidelines: Report principles and standard disclosures, Netherlands.

Hardi, P. & Barg, S. (1997). Measuring sustainable development: review of current practice. Winnipeg: IISD.

Kassel, K. (2011). CEO social value orientation and its relation to sustainability practices in corporate America. (Thesis). Doctorate of philosophy in human and organizational systems. Fielding Graduate University.

Klettner, A.; Clarke, T. & Boersma, M. (2014). The governance of corporate sustainability: Empirical insights into the development, leadership and implementation of responsible business strategy. Journal of Business Ethics, 122(1), 145-165.

Koontz, H.; O’ Donnell, C. & Weihrich, H. (1987). Administração, Recursos Humanos: Desenvolvimento de Administradores. 14a ed. v. 3. São Paulo: Pioneira.

Leite, A. S. & Castro, N. J. (2014). Crescimento e Estruturação das Firmas: a formação dos Conglomerados do Setor Elétrico Brasileiro. REGE-USP , São Paulo – SP, Brasil, v. 21, n. 3, p. 343-359.

Leite e Filho, G. A.; Prates, L. A. & Guimarães, T. N. (2009). Níveis de evidenciação dos relatórios de sustentabilidade das empresas brasileiras a+ do Global Reporting Initiative (GRI) no ano de 2007. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 33, São Paulo. Anais Eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD.

Lins, C. & Ouchi, H. C. (2008). Sustentabilidade Corporativa – Energia Elétrica. Janeiro de 2007. Disponível em: http://fbds.org.br/apresentacoes/FBDS-IMD-EnergiaEletrica.pdf. Acessado em: 23 de maio de 2008.

Marsick, V. J. (2009). Toward a unifying framework to support informal learning theory, research and practice. Journal of Workplace Learning. Columbia University, New York, v. 21, n. 4, p. 265-275.

Munasinghe, M. & Mcneely, J. (1995). Keys concepts and terminology of sustainable development. In: Munasinghe, Mohan; Shearer, Walter (Eds.). Defining and measuring sustainability: the biogeophysical foundations. Washington, DC: The United Nations University e The World Bank.

Poutrel, J. M. & Wasserman F. (1977). Prise en compte de l’vironnement dans les procedures d’amenagement. Paris: Ministère de l’Envirinnement et du Cadre de Vie.

Pronk, J. & Ul Haq, M. (1992). Sustainable development: from concept to action. New York: United Nations Development Programme.

Sachs, I. (1997). Desenvolvimento sustentável, bioindustrialização descentralizada e novas configurações rural-urbanas. Os casos da Índia e do Brasil. In: Vieira, P. F.; Weber, J. (Orgs.). Gestão de recursos naturais renováveis e desenvolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez.

Santana, N. B. (2008). Responsabilidade socioambiental e valor da empresa: uma análise por envoltória de dados de empresas distribuidoras de energia elétrica. 2008. 326 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Savitz, A. W. & Weber, K. (2006). The triple bottom line: how today’s best run companies are achieving economic, social and environmental success – and how you can too. San Francisco: John Wiley & Sons.

Scharf, R. (2004). Manual de negócios sustentáveis. São Paulo: FGV.

Silva, E. C. (2010). Governança Corporativa nas Empresas: guia prático de orientação para acionistas, investidores, conselheiros de administração, executivos, gestores, analistas de mercado e pesquisadores. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Smith, P. A. C. & Sharicz, C. (2011). The shift needed for sustainability. The Learning Organization, v. 18, n. 1, p. 73-86.

Staniškis, J. K. & Arbačiauskas, V. (2009). Sustainability Performance Indicators for Industrial Enterprise Management. Environmental Research, Engineering and Management, v. 48, n. 2, p. 42-50.

UNCSD. (1996). – “Indicators of Sustainable Development Framework and Methodologies” – Comissão de Desenvolvimento Sustentável – Organização das Nações Unidas.

Tang, L. & Li, H. (2009). Corporate Social Responsibility communication of Chinese and global corporations in China. Public Relations Review, v. 35, 199-212.

Tolmasquin, M. T. (2012). Perspectivas e planejamento do setor energético no Brasil. Estudos Avançados, vol. 26(74), p. 249-260.

Van Bellen H. M. (2007). Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Reimpressão, 2a ed. Rio de Janeiro: FGV.

WCED (WORD COMMISSION ON ENVIRONMENT AN DEVELOPMENT). (1987). Our commom future. Oxford and New York: Oxford University Press.

Yin, R. (2006). Estudo de caso – Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman.

Ziviani, F. & Ziviani, M. A. T. F. (2013). Barreiras e Obstáculos à Inovação no Setor Elétrico Brasileiro: Desafios e Oportunidades. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 13, n. 3, p. 222-246.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000