Desenvolvimento Sustentável e Técnicas de Mensuração

Katia Fabiane Rodrigues, Ricardo Rippel

Resumo


As discussões sobre o desenvolvimento econômico, as correntes teóricas ambientalistas e as conferências internacionais da Organização da Nações Unidas – ONU aprofundaram o conceito de desenvolvimento sustentável. Com base nesses elementos, o desenvolvimento sustentável é multidimensional, pois incorpora diversas sustentabilidades como a econômica, social, ambiental e político-institucional. Além disso, ressalta-se que com advento da Agenda 21, os debates sobre o desenvolvimento sustentável revelaram a necessidade de produzir informações relacionadas ao estado do desenvolvimento. Portanto, este estudo procurou apontar através de uma pesquisa exploratória a importância da mensuração do desenvolvimento sustentável, mediante apresentação das principais técnicas utilizadas. Entre elas, aponta-se, os marcos ordenadores de indicadores e as metodologias de construção de índices. Como corolário, observou-se que para além das diferenças relacionadas as distintas características de cada método, todas são relevantes na tomada de decisão e isso é fundamental para realização de ações, tanto por parte de instituições privadas quanto públicas, no fomento à sustentabilidade.


Palavras-chave


Desenvolvimento Sustentável, Indicadores, Índices.

Referências


Agarwala, A. N.; Singh, S. P. (201). A Economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: CONTRAPONTO.

Alier, J. M. (1998). Curso de Economía Ecológica: rede de información ambiental – PNUMA. Recuperado em 30 agosto, 2012 de http://www.posgradofadu.com.ar/archivos/biblio_doc/libroCURSO_ECONOMIA_ECOLOGICA-Martinez-Alier.pdf.

Anand, S; Sen, A. K. (1994). Human Development Index: metholodoly and measurement. Human Development report Office. New York: Occasional papers.

Barbieri, J. C. (2000). Desenvolvimento sustentável: as estratégias de mudanças da agenda 21. Petrópolis, RJ: VOZES.

Bellen, H. M. V. (2002). Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Tese de Doutorado em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis (SC).

Bellen, H. M. V. (2004). Desenvolvimento Sustentável: uma descrição das principais ferramentas de avaliação. Ambiente e Sociedade, (7)1, 67-87.

Benetti, L. B. (2006). Avaliação do Índice de Desenvolvimento Sustentável (IDS) do município de Lages/ SC através do método do Painel de Sustentabilidade. Tese de doutorado em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis (SC).

Braga, T. M.; Freitas, A. P. G. de; Duarte, G. de S.; Carepa-Souza, J. (2004). Índice de sustentabilidade municipal: o desafio de mensurar. Nova Economia, 14 (3), 11-33.

Bueno, E. de P. (2007). O índice de desenvolvimento humano (IDH): avaliação de seus pressupostos teóricos. Boletim Goiano de Geografia, (27)3.

Carvalho, P. G. M. de; Barcellos, F. C. (2009). Políticas Públicas e sustentabilidade ambiental: construindo indicadores de sustentabilidade. Indicadores Econômicos FEE, (37)1.

Cavalcanti, C. (2010). Concepções da economia ecológica: suas relações com a economia dominante e a economia ambiental. Estudos Avançados, (24)68.

Fernandez, B. P. M. (2011). Ecodesenvolvimento, desenvolvimento sustentável e economia ecológica: em que sentido representam alternativas ao paradigma de desenvolvimento tradicional? Desenvolvimento e Meio Ambiente, (23), 109-120.

Diegues, A. C. S. (1992). Desenvolvimento sustentável ou sociedade sustentável da crítica dos modelos aos novos paradigmas. São Paulo em Perspectiva, (6), 22-29.

Furtado, C. (1986). Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: NOVA CULTURA.

Gallopín, G. C. (1996). Environmental and sustainability indicators and the concept of situational indicators. A system approach. Environmental approach. Environmental Modelling & Assessment, 101-177.

Georgescu-Roegen, N. (1986). The entropy law and the economic process in retrospecto. Eastern Economic Journal, (12)1.

Guimarães, R.P.; Feichas, S.A.Q. (2009). Desafios na construcao de indicadores de sustentabilidade. Ambiente & sociedade, (12)2, 307-323.

Haddad, P. R. (2009). Capitais intangíveis e desenvolvimento regional. Revista de Economia, (35)3, 119-146.

Hammond, A.; Adriaanse, A.; Rodenburg, E.; Bryant, D.; Woodward, R. (1995). Environmental indicators: a systematic approach to measuring and reporting on environmental policy perfomance in the context of sustainable development. Washington, D. C.: World Resources Institut.

Hobsbawn, E. J. (1997). A Era dos Extremos: o breve século XX 1914-1991. São Paulo: COMPANHIA DAS LETRAS.

Holling, C. S. (1978). Adaptive environmental assessment and management. Chichester: Jhon Wiley & Sons Ltd.

Instituto Paranaense de desenvolvimento Econômico e Social. (2001). Agenda 21. Curitiba, PR: IPARDES.

International Institute For Sustainable Development. (2013). Dashboard of Sustainability. Recuperado em 30 agosto, 2013 de http://www.iisd.org/cgsdi/dashboard.asp.

International Institute For Sustainable Development. (1999). The dashboard of sus tainability. Canadá: IISD. Recuperado em 30 agosto, 2013 de http://iisd1.iisd.ca/cgsdi/.htm.

International Union For Conservation (2001). Resource kit for sustainability assessment. Recuperado em 30 de agosto, 2013 de http://cmsdata.iucn.org/downloads/resource_kit_a_eng.pdf.

Kronemberger, D.M.P.; Clevelario Junior, J.; Nascimento, J., A. S. do. Collares, J. E.R.; Silva, L. C. D. (2008). Desenvolvimento sustentável no Brasil: uma análise a partir da aplicação do barômetro da sustentabilidade. Sociedade e Natureza, (20).

Mattos, E. J. (2012). Desenvolvimento e meio ambiente: o papel dos indutores de impacto. Tese de doutorado em Economia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRS, Porto Alegre (RS).

Miquel, C. A. (1997). O Índice de desenvolvimento humano: uma proposta conceitual. Revista Proposta (FASE). (26)73, 10 - 19.

Nardo, M; Saiana, M;. Saltelli, A.; Tarantola, A.; Hoffman, A. Giovannini, E. (2005). Handbook on constructing composite indicators: methodology and user guide. Statistics Working Paper: OECD.

Oliveira, G. B. de. (2002). Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento sustentável. Revista FAE, (5)2, 37-48.

Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (1998). Rumo a um desenvolvimento sustentável: indicadores ambientais. (Telles, A. M. S. F., trad.). Salvador: Centro de Recursos Ambientais.

Programa das Nações Unidas Para o Desenvolvimento. (1990). Relatório de desenvolvimento humano – PNUD. Recuperado em 20 junho, 2013 de http://hdr.undp.org/en/reports/global/hdr1990/chapters/r.

Romeiro, A. R. (2001). Economia ou economia política da sustentabilidade? [Texto para discussão, n° 102]. Campinas: IE/UNICAMP.

Sachs, I. (2004). Desenvolvimento includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: GARAMOND.

Sachs, I. (2009). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: GARAMOND.

Sen, A. (2000). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: COMPANHIA DAS LETRAS.

Souto, R. D. (2011). Desenvolvimento sustentável da tentativa de definição do conceito às experiências de mensuração. Dissertação de Mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais, Escola Nacional de Ciências Estatísticas - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Rio de Janeiro.

Souza, N. de J. de. (1999). Desenvolvimento econômico. São Paulo: ATLAS.

The World Conservation Union. (2001). Resource kit for sustainability assessme: IUCN.

World Wide Life Fund For Nature Brasil. (2012). A Pegada Ecológica de São Paulo - Estado e Capital e a família de pegada. Brasília: WWF-Brasil.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000