Percepção do Consumidor e a Gestão Ambiental em Oficina Mecânica no Oeste Paranaense

Ronaldo José Seramim, Tamara Pereira Zanella, Jerry Adriani Johann, Geysler Rogis Flor Bertolini

Resumo


O objetivo do trabalho é identificar o conhecimento e comportamento de clientes potenciais e gerais em relação ao meio ambiente, além de analisar variáveis sobre a valorização em relação às ações ambientais desenvolvidas em oficina mecânica, no oeste do Paraná. A metodologia é descritiva, com abordagem quantitativa. Os dados foram obtidos por meio de questionário adaptado dos modelos de Brandalise (2008), quanto à percepção ambiental e Bertolini, Rojo e Lezana (2012), quanto à valorização de ações ambientais. Para análise dos dados foram utilizados os softwares Action e Microsoft Office Excel e deu-se incialmente de forma unidimensional, ou seja, analisando cada uma das questões separadamente. Posteriormente visando identificar a relação entre questões (análise bidimensional), realizou-se a aplicação do teste de independência com os resultados obtidos no público em geral, a 5% de significância. O trabalho foi desenvolvido em três etapas: pré-teste com 14 questionários respondidos; aplicação do questionário de coleta de dados com 386 pessoas do público em geral e 51 clientes potenciais. Os resultados demonstram que os consumidores valorizam empresas que possuem selos ou certificações ambientais, mas na maioria, não conhecem uma oficina certificada. Foram realizadas análises estatísticas para comparar os dois grupos pesquisados. Finalizando, conclui-se que a maioria dos consumidores estaria disposta a pagar mais por serviços prestados em uma oficina ambientalmente correta.

 


Palavras-chave


Consumidor; Meio ambiente; Percepção; Oficina mecânica

Referências


Aragonés, J. I., & Amérigo, M. (1991). Un estudio empírico sobre las actitudes ambientales. Revista de Psicologia Social, 6, pp. 223-240.

Beck, C.G., & Pereira, R.C.F., (2012). Preocupação ambiental e consumo consciente: os meus, os seus e os nossos interesses. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 1(2), 51-78.

Bertolini, G. R. F., Brandalise, L. T., Rojo, C. A., & Lezana Correio, Á. G. R. (2013). A viabilidade financeira no desenvolvimento de produtos ecológicos valorizados pelos consumidores. Revista de Gestão e Projetos - GeP, 4 (3), 01-29.

Bertolini, G. R. F., Possamai, O., & Brandalise, L. T. (2009). A percepção dos consumidores de produtos ecologicamente corretos: estudo de caso em pequena empresa. Revista da Micro e Pequena Empresa, 3(1), 99-119.

Bertolini, G. R. F., Rojo, C. A., & Lezana, Á. G. R. (2012). Modelo de análise de investimentos para fabricação de produtos ecologicamente corretos. Revista de Gestão & Produção, 19(3), 575-588.

Batista, I. H., & Albuquerque, C. C. de. (2007). Desenvolvimento sustentável: novos rumos para a humanidade. Revista Eletrônica Aboré, 3 (1), 1-8.

Bourscheidt, D. M., & Dalcomuni, S. M. (2010). Do crescimento econômico ao desenvolvimento sustentável: aspectos conceituais e marcos importantes. Revista Congrega Urcamp, 4(1), 42-58.

Brandalise, L. T. (2008). A percepção do consumidor na análise do ciclo de vida do produto: um modelo de apoio à gestão empresarial. Cascavel, PR: Edunioeste.

Côrtes, P. L., & Moretti, S. L. do A. (2013). Consumo verde: um estudo transcultural sobre crenças, preocupações e atitudes ambientais. Revista Brasileira de Marketing – REMark, 12(3), 45-76.

Costa, D. V. da., & Teodósio, A. dos S. de S. (2011). Desenvolvimento sustentável, consumo e cidadania: um estudo sobre a (des) articulação da comunicação de organizações da sociedade civil, do estado e das empresas. Revista de Administração Mackenzie (online), 12 (3), 114-145.

Costa Neto, P. L. de O. (1977). Estatística. São Paulo: Edgard Blucher.

Deus, E. G. S. Q. de., Afonso, B. P. D., & Afonso, T. (2014). Consciência ambiental, atitudes e intenção de uso das sacolas plásticas não-recicláveis. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 3(1), 71-87.

Drumwright, M. E. (1994). Socially responsible organizational buying: environmental concern as a noneconomic buying criterion. Journal of Marketing, 58, 1-19.

Elkington, J. (2004). Enter the Triple Bottom Line. In: A. Henriques & J. Richardson (Eds.). The Triple Bottom Line: Does it All Add Up? Assessing the Sustainability of Business and CSR (pp. 1-16). London: Earthscan Publications.

Ferreira, L. C. (2009). Produção mais limpa no plano de gerenciamento de resíduos sólidos em empresas de reparação de veículos. Dissertação de mestrado, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, PR, Brasil.

Figueiredo, G. N. de., Abreu, R. L., & Las Casas, A. L. (2009). Reflexos do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) na imagem das empresas: uma análise do consumidor consciente e do marketing ambiental. Revista Pensamento & Realidade, 24(1), 107-127.

Flamer, C. (2013). Corporate social responsibility and shareholder reaction: the environmental alwareness of investors. Academy of Management Journal, 13(56), 758–781.

Gerhardt, A. E., Drumm, F. C., Grassi, P., Flores, B. A., Passini, A. C. F., Borba, W. F. de., & Kemerich, P. D. da C. (2014). Diagnóstico para o gerenciamento dos resíduos sólidos em oficina mecânica: estudo de caso em concessionária do município de Frederico Westphalen – RS. Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas – UFSM, 14(1), 2899-2908.

Junior, S. S. B., Silva, D. da., Lopes, E. L., & Gaspar, M. A. (2013). A preocupação ambiental é transformada em intenção de compra para produtos verdes no varejo? Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 2(1), 1-25.

Kruter, G.E., Barcellos, M.D., & Silva, V.S. (2012). As atitudes dos consumidores em relação ao plástico verde. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 1(1), 19-46.

Lopes, G. V., & Kemerich, P. D. da C. (2007). Resíduos de oficina mecânica: proposta de gerenciamento. Disc. Scientia, 8(1), 81-94.

Lucena, K. F. M. de., & Melquíades, T. F. (2012, outubro). O comportamento ambiental de empresas do ramo de oficina mecânica: um estudo de caso em João Pessoa – PB. Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação, 7, Palmas, Tocantins, Brasil.

Massi, K. G., Perez, A. C., Almeida, F. F. de., Smid, L. N., Souto, L. A., & Dário, V. P. G. (2009). Valoração contingente de uma oficina mecânica no município de Osasco, SP. Revista Científica Hermes, 1(1), 42-48.

Menon, A., & Menon, A. (1997). Enviropreneurial marketing strategy: the emergence of corporate environmentalism as marketing strategy. Journal of Marketing, 61, 51-67.

Nascimento, L. F. (2012). Gestão ambiental e sustentabilidade. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração – UFSC. Brasília: CAPES, UAB.

Oliveira-Brochado, F., Oliveira-Brochado, A., & Caldeira, T. (2015). Os determinantes psicológicos do consumidor verde. Revista Tourism & Management Studies, 11(2), 104-111.

Orsato, R. J. (2002). Posicionamento ambiental estratégico. Identificando quando vale a pena investir no verde. Revista Eletrônica de Administração – REAd, 8(6), 1-29.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2009). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In I. M. Beuren (org). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática (pp. 76-97). 3 ed. São Paulo: Atlas.

Ribeiro, L. (2015). Marketing social e comportamento do consumidor. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

Silva, A. M. da., Meireles, F. R. da S., Rebouças, S. M. D. P., & Abreu, M. C. S. de. (2015). Comportamentos ambientalmente responsáveis e sua relação com a educação ambiental. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 4(1), 1-16.

Valente, A. C. M. (2009). Proposta para adaptação de um sistema de gestão ambiental a oficinas de manutenção e reparação de veículos baseada na gestão por processos. Dissertação de Mestrado, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000