Fatores de Risco Evidenciados pelas Maiores Empresas Listadas na BM&FBOVESPA

Roberto Carlos Klann, Fernanda Kreuzberg, Franciele Beck

Resumo


O risco está presente em qualquer empresa, em qualquer setor. Nesse sentido, o objetivo da pesquisa é identificar os tipos de risco evidenciados nos Formulários de Referência das maiores empresas de cada setor listadas na BM&FBovespa. Os riscos podem ser classificados em: risco de crédito, risco legal, risco de mercado, risco operacional, risco estratégico, risco de liquidez e risco ambiental. Conforme os resultados encontrados, os mais divulgados pelas empresas são: risco legal (87,5%), risco estratégico (85%) e risco de mercado (82,5%). O risco de crédito apresenta o menor nível de divulgação (50%), bem como o risco de liquidez relativo aos investimentos (55%). Conclui-se que a gestão de risco está relacionada às particularidades de cada organização, sendo que os tipos de riscos podem se modificar de acordo com a classificação setorial das empresas.


Palavras-chave


Gestão de Risco, Tipos de Risco, Formulários de Referência.

Referências


Assaf Neto, A. (2003). Finanças corporativas e valor. São Paulo: Atlas.

Basel Committee on Banking Supervision – BCBS (2003). Operational risk transfer across financial sectors.

Bogoni, N.M. & Fernandes, F.C. (2011). Gestão de risco nas atividades de investimento dos regimes próprios de previdência social (RPPS) dos municípios do estado do Rio Grande do Sul. Revista Eletrônica de Administração, 17(1), 117-148.

Bushman, R. M. & Smith, A. J. (2003). Transparency, financial accounting information, and corporate governance. Economic Policy Review, 65-87.

Cabedo, J.D. & Tirado, J.M. (2004). The disclosure of risk in financial statements. Accouting Forum, 28 (1), 181-200.

Cardoso, R. L., Mendonça Neto, O. R. de & Riccio, E.L. (2004). A evolução recente da transparência dos fatores de risco nas informações contábeis: uma análise de empresas brasileira de telecomunicações. Revista Administração Mackenzie, 5(2), 13-55.

Coimbra, F.C. (2004). Gestão estratégica de riscos: instrumento de criação de valor. VII Seminário da Administração. Anais. São Paulo.

Comissão de Valores Mobiliários – CVM (2006). Ofício-Circular/CVM/SNC/SEP 01/2006. Retrieved from: http://www.cvm.gov.br/port/atos/oficios/ OFICIO-CIRCULAR-CVM-SNC-SEP-01_2006.asp. Acesso em: 28/03/2012.

Comissão de Valores Mobiliários – CVM (2009). Instrução CVM 480, de 7 dezembro de 2009. Retrieved from: http://www.bmfbovespa.com.br/ empresas/download/Instrucao CVM480.pdf. Acesso em: 28/03/2012.

Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission – COSO (2004). Enterprise risk management: integrated framework – aplication techniques. Jersey City, NJ: AICPA.

Costa, R.A., Costa, F. M., Amorim, G. & Baptista, E.C.S. (2009). O impacto da regulação no conservadorismo das empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa. Contabilidade, Gestão e Governança, 12(3), 28-37.

Crouhy, M., Galai, D., & Mark, R. (2004). Gerenciamento de risco: abordagem conceitual e prática: uma visão integrada dos riscos de crédito, operacional e de mercado. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Cunha, P. R., Orestes da Silva, J. & Fernandes, F. C. (2011). Riscos empresariais divulgados nas ofertas públicas de ações no Brasil. Revista Brasileira de Gestão de negócios, 13(41), 454-471.

Drew, S. A., Kelley, P. C., & Kendrick, T. (2006). Five elements of corporate governance to manage strategic risk. Business Horizons, 49, 127-138.

Duarte Junior, A. M. (2001). Riscos: definições, tipos, medição e recomendações para seu gerenciamento: gestão de risco e derivativos. São Paulo: Atlas.

EXAME; Revista Você S/A (2010). Exame: 1000 melhores e maiores. Edição Especial. São Paulo: abr./jul. 2010.

Fernandes, F.C., Silva, M., & Santos, F.T. dos (2008). Informações sobre gestão de riscos nas IANs das empresas listadas no Novo Mercado da Bovespa. Revista de educação e pesquisa em contabilidade, 2(3), 36-55.

Fernandes, F.C., Souza, J.A.L. de & Faria, A.C. de (2010). Evidenciação de riscos e captação de recursos no mercado de capitais: um estudo do setor de energia elétrica. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 13(1), 59-73.

Figueiredo, R. P. (2001). Gestão de riscos operacionais em instituições financeiras: uma abordagem qualitativa. Dissertação de Mestrado. Universidade da Amazônia, Belém.

Gaio, L. E. (2009). Gestão de risco no mercado financeiro internacional: Uma analise comparativa entre modelos de volatilidade para mensurar o Value-At-Risk. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Gupta, P.K. (2001). Risk management in Indian companies: EWRM concerns and issues. The Journal of Risk Finance, 12(2), 121-139.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa – IBGC (2007). Guia de orientação para o gerenciamento de riscos corporativos. Coordenação: Eduarda La Rocque. São Paulo.

Jorion, P. (2003). Value at risk. New York: Wiley.

Kloman, F. (1992). Rethinking risk management. The Geneva Papers on Risk and Insurance, 17(64), 299-313.

Lemgruber, E. F. (Org.). (2001). Gestão de risco e derivativos: aplicações no Brasil. São Paulo: Atlas, 99-112.

Linsley, P. M., Shrives & Philip J. (2005). Transparency and the disclosure of risk information in the banking sector. Journal of Financial Regulation and Compliance, 13(3), 2005-213.

Marshall, C.(2002). Medindo e gerenciando riscos operacionais em instituições financeiras. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Martins, G. de A. & Theóphilo, C.R. (2007). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

Moreira V. R. (2009). Gestão dos riscos do agronegócio no contexto cooperativista. Tese de Doutorado. Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo.

Murcia, F. D.(2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário de companhias abertas no Brasil. Tese de Doutorado. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Newman; S. (2001). Legal risk management via dependency modelling. Computer Law & Security Report, 17(6).

Penha, J. C. & Parisi, C. (2005). Um caminho para integrar a gestão de risco à controladoria. IX Congresso Internacional de Custos. Anais. Florianópolis.

Pereira, J. M. (2006). Gestão do Risco Operacional: Uma Avaliação do Novo Acordo de Capitais – Basiléia II. Revista Contemporânea de Contabilidade, 1(6), 103-124.

Petróleo Brasileiro S/A – Petrobras (2011). Notas explicativas 2011. Retrieved from: http://www.rad.cvm.gov.br/enetconsulta/frmGerenciaPaginaFRE.aspx?CodigoTipoInstituico=2&NumeroSequencialDocumento=14307. 2011. Acesso em: 25/03/2012.

Ponte, V.M.R., Oliveira, M. C., Moura, H. & Carmo, R.C. de A. do (2007). Análise das práticas de evidenciação de informações obrigatórias, não-obrigatórias e avançadas nas demonstrações contábeis das sociedades anônimas no Brasil: um estudo comparativo dos exercícios de 2002 e 2005. Revista Contabilidade e Finanças, 18(45), 50-62.

Raupp, F. M. & Beuren, I. M. (2006). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais, In: Beuren, I. M. (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 76-97. São Paulo: Atlas, 2. ed.

Rozo, J. D. (2009). Controle interno como variável explicativa do sucesso empresarial. II Seminário USP de Contabilidade. Anais. São Paulo.

Sanches, C. S. (2000). Gestão ambiental proativa. Revista de Administração de Empresas, 40(1), 76-87.

Sánchez, L. H. (1994). Gerenciamento ambiental e a indústria de mineração. Revista de Administração, 29(1), 67-75.

Stulz, R. M. (1996). Rethinking risk management. Journal of Applied Corporate Finance, 9(3), 8-25.

Samson, S., Reneke, J. A. & Wiecek, M. M. (2009). A review of different perspectives on uncertainty and risk and an alternative modeling paradigma. Reliability Engineering and System Safety, 94, 558-567.

Sedrez, C. S. & Fernandes, F. C. (2001). Gestão de riscos nas universidades e centros de universitários do estado de Santa Catarina. Gestão Computer Law & Security Report, 17(6), 70-93.

Zonatto, V.C. da S. & Beuren, I.M. (2010). Categorias de riscos evidenciadas nos relatórios da administração de empresas brasileiras com ADR. Revista Brasileira Gestão e Negócio, 12(35), 142-155.


Texto completo: PDF



Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000